Política

Afinal, anarquista vota?

Em janeiro deste ano, o renomado autor e considerado um dos maiores intelectuais vivos, o anarquista Noam Chomsky, confirmou que votaria em Clinton para prevenir a vitória de Donald Trump. Esse fato traz a tona uma discussão antiga do meio anarquista em participar do sufrágio.

Noam Chomsky no programa UpFront, da rede Al Jazeera, fala sobre Clinton, Sanders, Trump e as eleições americanas.

Noam Chomsky no programa UpFront, da rede Al Jazeera, fala sobre Clinton, Sanders, Trump e as eleições americanas.

Kropotkin, filósofo do anarquismo e considerado fundador do anarco-comunismo, é bem claro no livro “O Princípio Anarquista e Outros Ensaios” na negação do sufrágio: “Se existissem anjos entre nós, poderíamos confiar-lhes a tarefa de nos governar. E ainda assim os chifres cresceriam neles muito rápido … O único meio de de chegar à harmonia dos interesses é uma sociedade sem exploradores, sem governantes.”

Piotr Alexeyevich Kropotkin, nasceu em Moscou, em 9 de dezembro de 1842, morreu em Dmitrov, no dia 8 de fevereiro de 1921. Geógrafo de profissão, escritor e ativista político, é considerado um dos maiores filósofos do anarquismo e fundador do anarco-comunismo.

Piotr Alexeyevich Kropotkin, nasceu em Moscou, em 9 de dezembro de 1842, morreu em Dmitrov, no dia 8 de fevereiro de 1921. Geógrafo de profissão, escritor e ativista político, é considerado um dos maiores filósofos do anarquismo e fundador do anarco-comunismo.

Trazendo a discussão para as eleições municipais deste ano, muitas pessoas que se consideram anarquistas já expressaram sua vontade de votar no ‘menos pior’. Veja o texto de Gleyser Ferreira:

“Eu acredito que o melhor agora é eleger o Marcelo Freixo como prefeito.
Sabendo da situação nojenta que entramos com o PMDB, acredito que não podemos deixar que isso se perpetue, nem por isso devemos permitir que o antigo senador que impôs uma das leis que prejudicava os manifestantes, Crivella, se eleja.
Dizer “Não vote, lute” é ridículo quando sabemos que a maior parte da sociedade, e única capaz de levantar a autogestão popular, ainda não tem base política e intelectual para autogestionar o país. Sabendo que esse sistema criou escravos passivos, temos ainda que desatar as amarras da manipulação sobre a sociedade.
Uma mãe solteira de três filhos, que vive para trabalhar e limpar a casa -praticamente – jamais vai chegar cansada do trabalho e procurar na internet sobre o Manifesto Comunista. Até porque, essa mãe nunca nem ouviu falar sobre isso, nem sabe direito o que é revolução, muito menos sobre como funciona e fazer funcionar o comunismo.
Não podemos fingir acreditar que é só pregar “lute” que tudo se resolverá. Porque a falta de preparo e educação dá no mesmo que deu 2013. E sabemos disso. Mas para manter nosso orgulho, dizemos: não vote.
Temos que entender que tudo tem sua hora. Que o trabalho de base tem que ser feito arduamente por alguns anos até que a população se familiarize em usar a internet e tecnologia para avançar intelectualmente e para conhecer novas formas de se viver em sociedade.
Adoraria dizer “não vote, lute”. Mas sei que ainda que 10 mil cariocas votem, alguém vai ganhar.
Minhas tias, mãe, tios, primos jamais vão chegar na internet para pesquisar novas formas de sociedade até que alguém da sociedade (como eu ou você) fale como se fazer isso ou alerte a atenção deles para essas outras realidades que podem ser a nossa.
Vamos seguir no trabalho de base, sem se esquecer de avisar que até que o povo se levante, o que vai levar um certo tempo ainda que façamos muito bem o trabalho de conscientização, ele será pisoteado pela burguesia que o governa.
Eu prefiro lutar e ensinar meu povo pobre e preto a lutar sob o governo do PSol, do que manter um discurso que nem chega na favela devido aos tiros e lágrimas dos meus irmãos, sob o governo PMDB.”

Militantes do PSol fazem ciranda para enfrentar o Capital.

Militantes do PSol fazem ciranda para enfrentar o Capital.

Você irá votar nestas eleições? Por quê?

2 Comments

2 Comments

  1. Vítor Hugo

    outubro 12, 2016 at 1:51 pm

    O anarquista não é livre de decidir votar ou não votar? que raio de filosofia é então? O ideal e irónico era haver um partido anarquista, para no poder ir desmantelando-o e já existe na Europa do norte…mas não sei que trabalho fazem.

  2. Leonardo

    outubro 17, 2016 at 3:06 pm

    Não adianta tanta filosofia, pensamentos, gritos de liberdades… Todos os povos sem perceberem são escravos. Do dinheiro.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ Vistos

O Mariachi é um coletivo anarquista de midiativismo, fundamentado no princípio da liberdade individual e na busca pela emancipação coletiva.

Copyleft © 2013 - 2017 Direitos autorais é o caralho!

To Top