Sem classificação

Gordofobia

Ansiedade

Gordofobia gera crises graves de ansiedade. Têm dias que é uma luta pisar da porta pra fora, pegar algum transporte público é uma tortura, pois sempre tem gente olhando, apontando, rindo e isso tudo dentro da cabeça se amplifica de uma forma desesperadora que te faz querer correr pro primeiro local fechado que aparecer.

Sujeirinha

E ai de você! Se por acaso sujar um pouco a roupa com alguma coisa na rua, principalmente se essa sujeira for de comida. É o fim! Certeza de um dia infernal, daqueles que despertam seus instintos avestruz, de querer logo meter a cabeça no primeiro montinho de terra.
Isso me lembra o desenho do Jackie Chan na TV Globinho, onde saiam em busca de amuletos mágicos. Daria minha vida por um amuleto da invisibilidade – a vida seria tão mais fácil.

“O problema é mais na sua cabeça que nos outros. Não que não haja influencia.”

Minha cabeça amplifica muito, eu sei, mas isso não significa que as coisas acontecem todo tempo. Minha cabeça funciona dessa maneira como autodefesa porque eu consigo ficar atento à vários sinais que me resguardariam de um estresse muito maior. É sofrer de véspera, mas é o que melhor ameniza a decepção com a humanidade.

Espaços seguros

Sem esquecer de mencionar o convívio no nicho LGB e T, que é um constante ensaio sobre envenenamento homeopático da auto-estima de um indivíduo não branco e não bombado. Acrescento aqui os novos coques com cabelos enormes, um novo pré requisito pra tirar seu registro gay-hipster.
Arrisco dizer que a gordofobia desse nicho consegue ser muito pior e bem mais nociva que o “normal” do dia a dia.

Quando não se mostram extremamente preocupados com sua saúde, dando diversos conselhos sobre como emagrecer e ficar bonito – sempre dizem que você precisa emagrecer pra ficar bonito para eles e o mundo. Mas cheirar meia lata de “leite ninho” pra eles é sinônimo de saúde e boas práticas. Sexo sem camisinha também é símbolo de saúde. Mas a campanha do “amigo que só pensa no seu bem” é que você emagreça logo pra se inserir e ser quisto porque, afinal, é isso o seu problema. Não é uma simples gordura, mas um crachá exibindo seu nível hierárquico, quando você emagrecer, você sobe de nível e te dão um crachá novo pra ter direito de entrosar com os amigues novos todes desconstruides.
Não queremos pena, não queremos interações forçadas que inflem seu ego de “desconstruidão da porra”
Não queremos que incorpore um nutricionista de boate pra dizer meia baboseiras de dietas. Essa é a última coisa que queremos ouvir numa noite onde supostamente estaríamos nos divertindo.

Diversão

E o último adendo. Adoro praia, adoro rios e cachoeiras, mas a sensação feliz ao chegar num desses lugares vai rápido do céu ao inferno e você imediatamente se sente pior do que o cocô do cachorro que a madame deixou enterrar na areia da praia. Quer ir embora, mas fica mal por não querer estragar o rolê dos seus amigos e então fica remoendo essa vontade louca de sair logo enquanto se enrola numa toalha esperando os demais se divertirem pra então lhe darem a alforria. Você disparar pro carro assim que tiver chance.
Muitos vão achar “mas nooossa Felipe, como você é problemático e exagerado”, não, não sou não e inclusive muitos amigos gordas e gordos que vocês conhecem passam pelo mesmo problema. Às vezes até mesmo pior, mas não falam com ninguém pelo simples fato de temerem ser chamados de problemáticos ou exagerados.

Namoro

Ah… nem citei o sofrimento que é se relacionar com alguém mais magro que você e os dois saírem juntos. Tem que meditar muito pra conseguir caminhar em paz.

Texto: Felipe Francisco

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ Vistos

O Mariachi é um coletivo anarquista de midiativismo, fundamentado no princípio da liberdade individual e na busca pela emancipação coletiva.

Copyleft © 2013 - 2017 Direitos autorais é o caralho!

To Top