Brasil

Levante-se ou trabalhe até morrer

“Ei! Pára! Pára!”

Gritei para os Guardas Municipais (GM) que espancavam a professora Mônica Lima. Ao perceber a merda que fizeram, os covardes foram logo embora. A cena era terrível: quatro brutamontes espancando a professora de 50 anos. O primeiro golpe lembrou muito o que provocou a lesão do lutar Anderson Silva. Um GM chutou a perna da professora para derrubá-la, mas acabou quebrando dois ossos da perna, tamanha a força. Depois ainda dizem que a GM é despreparada.

Momento em que o Guarda Municipal quebra dois ossos da perna da professora Mônica Lima.
Fotos: Luiz Fernando Nabuco

Conheço a Mônica de vista desde 2013, mas até então nunca havíamos conversado. Ela participou ativamente da luta pela Aldeia Maracanã e fez um trabalho lindo de educação com presos. Um filme dessa história passou na minha cabeça, ao mesmo tempo que eu via com horror e perplexidade aquela perna quebra, um pé pendurado e segurado apenas pela pele. Já faz dois dias, mas a imagem continua clara na minha cabeça e me atormenta.

Segundos após o ataque, os cinegrafistas prestam socorro à professora. Eu estou do lado direito da foto.

Fiquei ao lado de Mônica por quase 1h esperando o resgate. Ela reclamava de dor e dizia que estava a ponto de desmaiar e os olhos dela ficavam turvos com a dor. Primeiro chegou o socorro da equipe da Cruz Vermelha, que foi muito solícita e ficou com a Mônica o tempo todo.

O ato tinha sido pacífico até aquele momento. Dezenas de milhares de pessoas tomaram a avenida Presidente Vargas no centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira. O protesto foi contra a Reforma da Previdência e contou com sindicatos, manifestantes independentes, partidos políticos e organizações anarquistas.

SEGURANÇA DA CUT AGRIDE MIDIATIVISTA PELAS COSTAS

SEGURANÇA DA CUT AGRIDE MIDIATIVISTA PELAS COSTASDespois de agredir manifestantes, dando uma de polícia, segurança da CUT agride midiativista pelas costas.Vídeo via Linhas de Fuga Multirão Web https://www.youtube.com/watch?v=Xs0TXj3gYWo&feature=youtu.be&app=desktop

Posted by Mariachi on Wednesday, March 15, 2017

A concentração foi às 16h, em frente a candelária, sendo que o ato saiu em direção a Central do Brasil por volta de 17:40. Chegando em frente à Central, houve um pequeno desentendimento entre centrais sindicais pelegas e manifestantes independentes. Nosso desentendimento acabou em função dos ataques da Guarda Municipal.

Lógica pelega necrogovernista da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Bancos na avenida Rio Branco foram destruídos durante a revolta popular que tomou completamente o Centro.
Já no fim da manifestação, a polícia ainda atirou uma bomba de gás lacrimogênio dentro do bar Amarelinho do lado da Câmara Municipal, atingindo inúmeras pessoas. Um policial dirige-se ao bar Amarelinho e atira uma bomba de gás (de uma distância de aproximadamente 20 m) contra os clientes. Lá dentro, senhoras de idade e até crianças passam mal devido aos efeitos do gás, que demorou a se dispersar. Por sorte a cápsula da bomba não acertou ninguém, já que a essa distância oferecia graves riscos, incluindo de morte.

Polícia atira bomba de gás lacrimogênio dentro do Bar Amarelin…

RJ: PM ATIRA BOMBA DENTRO DO BAR AMARELINHODepois de a manifestação já ter se dispersado, choque invade a Cinelândia com bombas de gás lacrimogêneo. Um policial dirige-se ao bar Amarelinho e atira uma bomba de gás (de uma distância de aproximadamente 20metros) contra os clientes.Lá dentro, senhoras de idade e até crianças passam mal devido aos efeitos do gás, que demorou a se dispersar.Por sorte a cápsula da bomba não acertou ninguem, pois dessa distância oferecia GRAVES RISCOS DE MORTE.

Posted by Mariachi on Wednesday, March 15, 2017

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

+ Vistos

O Mariachi é um coletivo anarquista de midiativismo, fundamentado no princípio da liberdade individual e na busca pela emancipação coletiva.

Copyleft © 2013 - 2017 Direitos autorais é o caralho!

To Top